Início > Comportamento Animal > Comportamento Canino > 3 Formas de Acalmares o Teu Cão Hiperativo Sem Perderes a Cabeça
Comportamento Canino

3 Formas de Acalmares o Teu Cão Hiperativo Sem Perderes a Cabeça

Imagina que estás a descansar no conforto do teu sofá, a ver um bom filme de domingo à tarde sem qualquer preocupação no mundo.

E enquanto te envolves no enredo do filme, afundas-te no sofá e inspiras até ao limite máximo dos teus pulmões, prestes a atingir um nível superior de relaxamento, até que…

…VROOOOOMMM… uma tempestade de energia e pêlo irrompe pela tua casa numa correria ensurdecedora, disposta a enlouquecer-te até à ponta dos cabelos.

E nesse momento sentes que o Universo conspira contra ti.

Tu que nem lhe pedes muito, apenas um momento de paz, sem tarefas, nem deveres ou responsabilidades e ele brinda-te com um cão – que tu amas imenso – mas que se certifica que isso não acontece.

Enquanto ele corre e ladra e salta sem parar, tu levas a mão à cabeça e desesperas porque não sabes o que mais fazer.

Já tentaste de tudo mas parece que solução para este comportamento é apenas um mito, não é?

Mas nós temos boas notícias para ti!

Neste artigo vamos mostrar-te as 3 melhores formas de corrigires esse comportamento para que finalmente tenhas a paz que desejas. Além disso, vamos primeiro desmistificar aquilo que muitos donos consideram ser “hiperatividade” dos seus cães.

Podemos começar?

A verdade por detrás dos cães hiperativos

Alguma vez deste por ti a invejar os cães calmos dos outros e a pensar:

“Se ao menos o meu pudesse ser assim… nem que fosse só um bocadinho!”

Porque ter um cão que é um poço de energia e que não pára um segundo não é tarefa fácil. Há momentos em que os teus limites são postos à prova.

Ou porque chegaste do trabalho exausto(a), ou o dia não te correu bem, ou simplesmente tens muito em que pensar. Tudo isso faz com que por vezes não tenhas a paciência necessária para lidar com ele.

Mas para encontrares uma solução, precisas primeiro de compreender a raiz do problema.

E a pergunta é:

Será o teu cão hiperativo, ou a razão será outra?

Bem, segundo este estudo a hiperatividade canina é real. Os investigadores detectaram alterações metabólicas no organismo de cães hiperativos quando comparados com cães “normais”.

No entanto, o estudo também refere que a hiperatividade canina clinicamente diagnosticada é muito rara, o que significa que a probabilidade do teu patudo ser hiperativo é baixa.

O que é que isto quer dizer?

Que a maioria dos cães que os donos consideram hiperativos na realidade só têm um nível de energia muito elevado e é por isso que não páram o segundo.

Se for esse o teu caso, então boas notícias!

Quer dizer… mais ou menos.

Ele vai continuar a ser um furacão e tens de te adaptar a isso, mas ao menos a solução está ao teu alcance (e vamos falar dela mais à frente).

Por enquanto é importante saberes que não existe nenhuma lei universal que determine o nível de energia de um cão, mas que existem vários factores que – mais ou menos – o definem. Por exemplo, a composição genética de algumas raças de cães tornam-nas mais propensas a terem altos níveis de energia

Do outro lado do prisma tens raças como o Basset Hound ou o Bulldog que por norma têm níveis de energia baixos.

Mas isto não significa que não existam cães de trabalho calmos ou bulldogs energéticos e vice-versa.

Aqui ficam alguns exemplos.

5 raças de cães com tanta energia que podiam ser personal trainers num ginásio

1 – Border Collie:

No dia em que escolheres um border collie apenas porque o achas fofo, é o dia em que cometes o pior erro da tua vida.

Eles podem ser lindos e quando têm um olho de cada cor tornam-se irresistíveis, mas não te deixes enganar. Estes meninos vão pôr-te a correr.

Têm uma velocidade e uma agilidade incrível e é por isso que são as estrelas das competições de agilidade.

Achas mesmo que eles querem estar parados?

2 – Jack Russell Terrier:

Será que podíamos colocar aqui toda a família terrier?

Sem dúvida que sim!

Então porquê esta terrível injustiça de destacar o fofo e pequenino Jack Russell?

Talvez este vídeo possa explicar.

3 – Husky Siberiano:

Ainda te lembras do Border Collie e o erro que seria adoptar um se não tivesses preparado(a)?

Bem… isso acontece muitas vezes com o Husky.

As pessoas apaixonam-se pela beleza inata do Husky Siberiano e depois enlouquecem porque não sabem lidar com ele.

Mas aquilo que viste o Jack Russel fazer no video acima, é o que os Huskies nasceram para fazer. A sua natureza ancestral é puxar trenós na sibéria e fazer longas distâncias a correr na neve e no gelo.

Eles são muito mais do que apenas uma cara bonita ou modelos fotográficos.

4 – Boxer

Ai ai… o Boxer… a eterna “criança”.

E bem que enganam os donos.

Segundo o All Boxer Info o problema é que todos os donos esperam à partida que os seus cachorrinhos sejam extremamente activos. No entanto, no que toca aos boxers, descobrem que a idade não os abranda.

Por volta do 1 ano e meio têm praticamente o porte de um cão adulto mas a mentalidade continua a ser de cachorro e fazem questão de comportar-se como tal.

Mesmo em idade adulta, não significa que deixem de ser eternos puppies.

5 – Pastor Belga

Todos conhecem a energia do pastor belga.

Devido à sua energia, inteligência, olfacto e confiança é uma das raças em quem a polícia mais confia para fazer os serviços k-9.

E a verdade é que não chegas a cão polícia sendo preguiçoso… coisa que eles não são.

__

Estes são alguns exemplos de raças que normalmente têm energia para dar e vender. No entanto, como já dissemos, não devemos fiar-nos apenas na raça para definir os níveis de energia de um cão.

Existem muitos fatores – incluindo a própria educação – que influenciam o comportamento e a energia do teu cão.

O que nos leva ao próximo passo. Saber como podemos acalmá-los.

As melhores formas para acalmares o teu cão altamente energético

1 – A importância de mudar de perspectiva

Alguma vez pensaste no impacto e na influência que a forma como encaras as situações têm na tua vida?

Por exemplo:

És uma pessoa mais positiva ou negativa?

Olhas para o copo meio cheio ou meio vazio?

Quando falhas é um erro ou uma lição?

As respostas que deres a estas perguntas definem as tuas perspectivas e sem dúvida que influenciam a tua maneira de estar na vida. Não estamos a dizer o que é certo ou errado mas é importante reconheceres isso em ti para que possas desenvolver-te pessoalmente.

Por esta altura deves estar a pensar que isto se tornou um artigo de auto-ajuda.

Mas não te preocupes porque isso não vai acontecer, apenas existe uma boa razão para falarmos deste assunto.

É que o teu cão reage à tua energia.

Por exemplo, se te enervares quando ele estiver tresloucado, é o mesmo que mandar gasolina para a fogueira.

Só vai piorar a situação.

Por isso aconselhamos-te primeiro a ponderar sobre o teu comportamento e reacção aos picos de energia do teu cão e a mudar o chip nessas situações..

No final deste artigo ficarás a saber como podes prevenir que esses problemas aconteçam de novo mas por agora vamos focar-nos no primeiro passo

Como Alterar o Mindset Para Viveres em Harmonia Com o Teu Cão

Que rótulos dás ao teu cão?

É mau?

Agressivo?

Medroso?

Resgatado?

Ansioso?

Mesmo que seja inconscientemente, os rótulos que lhe dás influenciam a forma como olhas para ele e como te comportas junto dele. É por isso que a coisa mais importante a fazer para mudares o comportamento do teu cão é mudares o teu próprio comportamento.

O teu mindset (mentalidade) deve estar de acordo com os objectivos que pretendes atingir, caso contrário serão um obstáculo enorme no teu caminho.

Por isso deixamos-te algumas formas para desenvolveres uma mentalidade forte e adequada aos teus objectivos:

1 – Muda a Forma Como Falas Contigo Próprio(a)

As conversas que tens contigo mesmo(a) reflectem-se directamente na tua mentalidade. Se dizes a ti próprio(a) “Eu não consigo fazer nada deste cão” esses pensamentos vão definir a tua realidade e o teu mindset vai impedir-te de teres a vida que queres.

Muda as conversas negativas que tens para contigo e transforma-as em conversas capacitantes. Sim, é cliché, mas funciona mesmo dizer “Eu consigo”, “eu sou capaz”.

2 – Vê o Copo Meio Cheio

Deixa-me exemplificar com uma experiência pessoal.

Há 4 anos atrás estava a passear o meu pastor alemão e era um daqueles passeios terríveis. Ele estava louco e disposto a enlouquecer-me. A cada passo que dava arrastava-me pelo braço – e como pesa 50 kg – quanto mais me arrastava mais enervado eu ficava.

Em pouco tempo percebi que eu só estava a piorar a situação, então decidi mudar o chip. Em vez de me zangar com ele comecei a olhar para o seu mau comportamento como uma oportunidade para o educar.

Respirei fundo e comecei de novo, desta vez com mais calma..

A partir daí, sempre que ele me puxava eu trazia-o calmamente para o meu lado e recomeçávamos. Fi-lo quantas vezes foram necessárias sempre com a “oportunidade para o educar” em mente.

Não importava se tinha de repetir o mesmo, 10, 20 ou 30 vezes. O que eu queria mesmo era desfrutar de um bom passeio com o meu cão e a verdade é que do caos acabámos tranquilamente a passear lado a lado.

Isto para dizer o quê?

Que com os cães (e em tudo na vida) é importantíssimo vermos o lado positivo das situações. Eles reagem à energia, e se nós estivermos enervados, stressados ou zangados eles vão absorver essa energia e retribuí-la com medo, stress, ansiedade etc…

Quando as coisas não estiverem a correr como desejas, vê o copo meio cheio. Olha para essas situações como uma oportunidade para corrigires ou ensinares – até porque essas são as melhores oportunidades para o fazeres.

3 – Determina e age de acordo com o mindset que queres

Esta é rápida e resume as duas anteriores.

Que objectivos queres atingir? Que mentalidade precisas de ter para atingi-los? Age de acordo com as respostas que deres a estas duas perguntas.

E o teu cão? Será que precisa de uma mentalidade diferente?

No ponto anterior falámos da importância de adoptares uma mentalidade positiva para existir harmonia entre ti e o teu cão.

Ele precisa de ti como um ponto de equilíbrio mas para isso não basta seres uma pessoa equilibrada.

Precisas mostrar-lhe que tipo de comportamento e mentalidade esperas dele, no entanto, este é um dos erros mais comuns dos donos que têm cães demasiado energéticos e que não conseguem controlá-los.

Mas agora que já percebeste que precisas de adoptar um mindset positivo, como é que podes incutir-lhe uma mentalidade calma?

1 – Promove um comportamento calmo e desencoraja a excitação

Os cães energéticos são assim:

Ao mínimo sinal de brincadeira eles vão saltar do chão felizes da vida e dizer-te – “Estava a ver que nunca mais!!”

Isso tem piada quando eles são cachorrinhos, porque cansam-se rápido e vão dormir. Mas quando a excitação se torna um hábito torna-se também num pesadelo conforme eles crescem.

É importante que desencorajes esse comportamento – quanto mais cedo melhor – por exemplo, não lhe dando atenção nem afecto quando ele estiver assim.

Em contrapartida, podes fazê-lo quando ele estiver calmo e controlado, promovendo assim um ambiente tranquilo.

2 – Cria rotinas que lhe mostrem com o que pode contar

É tempo de dormir?

Comer?

Brincar?

Os cães são animais de hábitos e para que possam ser o mais equilibrados possível devem manter uma rotina consistente para que saibam com o que podem contar.

Define uma rotina que possas manter e que o ajude a encontrar equilíbrio e estabilidade na sua vida. Essa rotina deve incluir horas de exercício, refeições e descanso.

3 – Eles não podem nem devem fazer o que querem

Regras e limites.

São factores essenciais para o equilíbrio dos cães e mesmo assim existem imensas pessoas que não conseguem estabelecê-las.

Mas quando as implementas, o teu patudo ficará a saber qual é o seu espaço e papel dentro da família (matilha). Por isso é importante que estabeleças quais são as regras e limites aceitáveis dentro da tua casa.

Ele conta contigo para seres a pessoa que lhe dá estabilidade e segurança e que como um farol o guia até onde ele se pode sentir bem, seguro e realizado.

E nem sequer tens de usar agressividade nem hostilidade para estabelecer limites. Mostra-lhe simplesmente de forma assertiva e consistente, o que é ou não aceitável, e segue essas regras à risca.

O que é que é então importante reter de todos estes pontos?

Que desde o teu mindset à promoção da calma em vez da excitação vão fazer toda a diferença. Tudo isto aliado à implementação de rotinas, regras e limites consistentes serão essenciais para alcançares o resultado final que tanto desejas.

É a conjugação destes factores psicológicos com os factores físicos que vamos falar a seguir que tornam tudo possível, o que nos leva ao próximo ponto.

2 – Inverte os Papéis e Cansa-o Primeiro

Por esta altura já deves ter compreendido três coisas.

Primeira: Apesar da hiperatividade canina existir, é muito mais provável que o teu cão seja altamente energético do que clinicamente hiperactivo.

Segunda: Existe uma quantidade indeterminada de razões que estabelecem o nível de energia do teu cão, entre elas o seu código genético, os seus hábitos e a sua educação.

Terceira: A tua condição psicológica tem um impacto enorme no comportamento e reacções do teu cão. Por esse motivo deves moldar-te pessoalmente e condicioná-lo mentalmente para que possas ser o ponto de equilíbrio que o teu cão precisa.

Dito isto…

…não me esqueci da promessa que te fiz – a de que no final deste artigo ias ficar a saber como podes prevenir que o teu cão entre em ataques de loucura que te enlouquecem também (e possas finalmente aproveitar o descanso que tanto desejas e mereces).

É aí que entra o condicionamento físico em jogo.

Uma das principais razões que levam os cães a terem esses “ataques explosivos de energia” e a enlouquecerem pela casa é a quantidade de energia que eles têm acumulada.

O que acontece muitas vezes é que os donos não têm em consideração a necessidade que os seus animais têm de gastar energia.

Voltando ao exemplo do Husky, não precisamos de pensar muito para descobrir porque é que eles se podem tornar um inferno para os donos, pois não?

Um animal que está geneticamente programado para correr muitos e muitos quilómetros todos os dias enquanto puxa um trenó, vai ser um animal frustrado se a única coisa que faz é dar um passeio pelo quarteirão.

Ou pior, se nem sair de casa.

Quando situações como estas acontecem, os animais acumulam demasiada energia e isso reflecte-se em comportamentos indesejados e muitas vezes destrutivos.

Se o teu cão é muito energético é essencial desgastá-lo fisicamente todos os dias!

Daí a nossa sugestão inicial – inverte os papéis e cansa-o primeiro, não deixes que seja ele a cansar-te.

E a lógica é fácil de entender. Assim como um carro sem gasolina que não anda, torna-se muito mais difícil para o teu cão ficar ultra-excitado ou energético quando já não lhe sobra energia.

E para isso podes:

#1 – Dar longas caminhadas (ideal para desgaste físico)

Esta é a melhor forma de manteres o teu cão feliz e equilibrado.

Se o levares todos os dias numa caminha de 40 minutos a 1 hora vais ver que o seu comportamento vai melhorar drásticamente.

Mas atenção!

Quando falamos em caminhadas não significa estar 40 minutos na rua a passear e a deixá-lo cheirar, fazer as necessidades e voltar para casa.

Falamos de uma caminhada que o mantenha conectado aos seus instintos básicos, dando-lhe a sensação de movimento em matilha em busca de um objectivo comum – encontrar água, comida e abrigo.

Falamos de uma caminhada que o mantenha focado, em movimento e o desgaste.

#2 – Fazer jogos que o estimulem mentalmente (ideal para o desgaste físico e psicológico)

Existem vários tipos de exercícios que mantém a mente do teu cão envolvida e que o ajudam a gastar o excesso de energia.

Jogos como o conhecido “busca” em que atiras um brinquedo e ele vai buscá-lo para que o atires de novo são óptimos para isso. Ou então jogos que envolvam o olfacto como procurar por um doce escondido também.

Se tiveres possibilidade, as corridas de obstáculos também são óptimas.

Qualquer exercício que possa mantê-lo focado num jogo e o estimule psicologicamente vai ser uma alegria para ele e desgastá-lo para o dia inteiro.

No entanto é essencial manter limites.

Se o teu cão se exceder e a ficar demasiado excitado o jogo acaba, o que funciona como o inverso da recompensa positiva. Ele compreenderá que se estiver calmo, há jogo (recompensa), mas se se exceder, a recompensa vai-se embora.

Agora a questão é, durante quanto tempo deves fazer o exercício?

Para sermos sinceros, não existe um nº de horas ideal para exercitares o teu cão porque tudo depende das suas necessidades.

Deves ser tu a conhecê-lo e a determinar qual é a quantidade de exercício necessária para que ele se sinta feliz, que o desgaste e que por fim atinja o teu objectivo final que é, ter um cão calmo e equilibrado.

Por fim, vamos ao terceiro – e possivelmente surpreendente – ponto de como acalmar o teu cão.

3 – Aproveita a maré e cresce com ela

Talvez não fosse o que estavas à espera, certo?

Mas porquê este 3º ponto?

A verdade é que de tempos em tempos aparece alguma coisa que desafia o estilo de vida a que te habituaste.

E ter um cão energético definitivamente que entra nesse desafio. Mas para que possamos ter um cão com o qual tenhamos gosto de conviver, precisamos de adaptar-nos e muitas vezes sacrificar o estilo de vida a que estávamos habituados.

Precisamos de dar caminhadas, precisamos de ser responsáveis por manter uma rotina, precisamos de ser capazes de o liderar e de estabelecer limites.

E isto não é para todos.

Mas se tu estás realmente disposto(a) a mudar em prol da tua sanidade mental e do bem estar do teu cão, então é a melhor altura para aproveitares esta maré de loucura e energia que é o teu patudo e cresceres com isso.

Se adoptares as dicas que aqui dissemos, se definires um mindset positivo, se olhares para o “copo meio cheio” se apoiares o teu cão naquelas que são as suas necessidades para ser feliz e se estiveres pronto(a) para adaptar o teu estilo de vida, então meio caminho está feito.

Depois disso é só manter a consistência, a disciplina e crescer com isso.

O teu cão vai agradecer-te e tu finalmente vais poder acabar de ver o filme sem interrupções.

Entretanto fala-nos da tua experiência com o teu cão ultra-energético. Que soluções arranjas, de que forma ele te enlouquece, ou qualquer história que queiras partilhar connosco.

Teremos muito gosto em saber.

Partilha também este artigo com outros donos para que também eles possam saber como podem acalmar os seus animais e melhorar a sua vida.

Faz Parte da Nossa Comunidade 🙂
0

Sobre o Autor

ODonoCuida

Deixe-nos um Comentário

Clique aqui para deixar um comentário