Início > Saúde Animal > Saúde Do Cão > Carraças: Como Tirar, Matar e Prevenir a Febre
Saúde Do Cão Saúde Do Gato

Carraças: Como Tirar, Matar e Prevenir a Febre

A primeira vez que vimos uma carraça no nosso cão, descobrimos logo muitas outras e desde então nunca mais nos descuidámos nesse aspecto. Se está a ler este artigo é provável que esteja a passar pela mesma situação.

Enquanto donos, as carraças são um dos nossos maiores receios, pela quantidade de doenças que podem transmitir aos nossos cães, gatos, e até a nós próprios. mas também porque queremos uma vida longa, saudável e feliz para os nossos animais. E se não estivermos atentos ela pode ser interrompida por parasitas como estes.

carraça no cão

Por serem um animal tão presente e perigoso para a saúde dos nossos cães e gatos, escrevemos este artigo que lhe vai explicar o que fazer, como tirar, como matar e prevenir doenças graves como a febre da carraça.

 

TABELA DE CONTEÚDOS

Qual é a melhor forma de combater parasitas?

Conhecendo-os e compreendendo o seu comportamento. Por isso antes de avançarmos vamos primeiro perceber como se comportam as carraças, o que são e como evoluem.

O Que São

As carraças são classificadas como ácaros e parentes próximos das aranhas. São parasitas externos que, durante todas as fases da sua vida se alimentam do sangue de outros animais. São dos parasitas mais importantes pela quantidade de doenças que transmitem – só ultrapassadas pelos mosquitos.

No entanto as carraças não nascem portadoras de doenças. Para elas se tornarem transmissoras de microorganismos infecciosos elas têm primeiro de picar um animal que tenha estas doenças. Contudo elas têm capacidade para transmitir microorganismos bastante perigosos aos seus hospedeiros.

O seu perigo e importância devem-se também às suas características biológicas:

  • Prolificidade: São animais bastante férteis, que se reproduzem facilmente e resistentes à adversidade.
  • Longevidade: São animais que se adaptam facilmente às condições do ambiente e vivem muito tempo.

Uma das características mais impressionantes destes parasitas é mesmo a sua capacidade de sobrevivência. Para isso elas estão munidas de:

  1. Uma incrível capacidade de armazenamento de sangue: As carraças conseguem armazenar grandes quandidades de alimento – sangue – e geri-lo gradualmente conforme as suas necessidades ao longo de vários meses ou anos.
  2. Uma impressionante capacidade de adaptação ao ambiente: As carraças encontram-se no ambiente durante o ano inteiro, apesar de estarem mais activas durante um clima quente. Quando as condições ambientais não são favoráveis elas entram em diapausa, isto é, abrandam as suas funções vitais e esperam.

São animais adaptados para sobreviver em temperaturas quentes e frias – melhor até do que as pulgas. No entanto, aquela a que podemos chamar de época ou altura das carraças é entre o início da Primavera e o fim do Outono, sendo a Primavera e o Verão as alturas de maior incidência.

Com todas estas características é fácil percebermos o porquê de serem tão perigosas. Para além de portarem e de transmitirem várias doenças infecciosas, multiplicam-se com facilidade e são bastante resistentes.

As 4 fases de desenvolvimento

O ciclo de vida das carraças divide-se por 4 fases de desenvolvimento:

1ª – Ovos
2ª – Larva
3ª – Ninfa
4ª – Carraça adulta

Um facto curioso sobre o ciclo de vida de algumas carraças – sobretudo das presentes em Portugal e na Europa – é que para cada fase de desenvolvimento elas picam um hospedeiro diferente. Cada vez que ficam cheias de sangue, caem ao chão e evoluem para a fase seguinte, onde vão picar um novo hospedeiro.

A imagem abaixo explica bem esta evolução:

como tirar carraças

Fonte: Frontline

Mas nem todas são assim. Existem outras espécies que passam por todas as fases de desenvolvimento no mesmo hospedeiro. Em condições normais este parasita desenvolve-se completamente em apenas 2 meses.

Outro facto a salientar é que existem várias espécies de carraças – cerca de 800 – de dois tipos: moles e duras. Estes tipos são definidos pela dureza da “carapaça” que as reveste, sendo que para os animais e humanos as duras são as mais importantes.

Voltando um pouco atrás, é também de notar que em qualquer fase do seu desenvolvimento – excepto os ovos – estes parasitas podem ficar infectados. Ou seja, não é preciso ser uma carraça adulta para transmitir infecções.

De Que Forma Infestam Os Animais e Humanos

Existe o mito de que as carraças voam.

Esta é uma ideia errada que algumas pessoas têm deste parasita. Elas não voam, mas isso não as impede de nada. Têm um sensor que lhes permite detectar a presença de animais e as levam até eles. Outra forma de infestarem um animal é esperarem num local de passagem – como as ervas – e agarrarem-se ao pêlo deles quando passam.

Quando se agarra ao hospedeiro, o parasita utiliza as suas peças bucais para se alimentar, perfurando-lhe a pele e ingerindo sangue. É também no hospedeiro que acasalam, e uma fêmea pode depositar entre 3 a 4 mil ovos.

Como Identificar Uma Carraça

Da a sua aparência, as carraças são facilmente reconhecíveis se estiverem em movimento no corpo do hospedeiro. Onde a situação se pode complicar é quando elas picam. Na maioria das vezes podem passar despercebidas por detrás de todas as camadas de pêlo dos cães e gatos.

sintomas febre da carraça nos cães

Há-de concordar connosco se dissermos que os donos conhecem o seu animal melhor que ninguém. Tendo isso em conta a melhor forma de detectar e identificar carraças é passando-lhe as mãos pelo pêlo, o mais junto à pele possível.

Se encontrar alguma coisa suspeita veja se ela se mexe e “levanta”. Como o parasita só se agarra pelas mandíbulas, normalmente consegue levantá-lo. Nesse caso, afaste o pêlo e confirme visualmente.

Se não se sentir confortável em fazê-lo com as mãos, pode tentar utilizar um pente fino.

Se o seu animal estiver desparasitado, não deverá ter problemas. Contudo nunca é demais verificar regularmente porque alguns produtos podem já ter perdido o efeito sem ter dado conta.

Em Que Parte Do Corpo Costumam Estar

Porque é que esta informação é importante?

Porque existe uma grande probabilidade (mais nos cães que nos gatos) de voltar a encontrar carraças no seu animal ao longo da vida.

A não ser que leve um regime de desparasitação perfeito, sem erros nem esquecimentos, o mais provável é que isso volte a acontecer. Por isso é que é importante saber em que zonas do corpo elas costumam estar, para que quando  estiver a inspeccionar o seu animal ou a dar-lhe festas, saber em que partes deve focar-se mais.

Estes parasitas preferem zonas do corpo em que a pele é mais fina e mais irrigada por vasos sanguíneos.

Zonas como:

  1. Orelhas (dentro e fora).
  2. Ao redor dos olhos.
  3. Entre os dedos.
  4. Pescoço.
  5. Axilas.

Contudo, elas podem distribuir-se por todo o corpo, principalmente se for uma infestação grande. Estas são as zonas “preferenciais” onde fazer uma inspecção mais incisiva, mas nunca despreze todas as outras áreas do corpo.

Nos gatos costumam encontrar-se principalmente no rosto e no pescoço.

O Que Fazer Em Caso de Picada? 

Em caso de picada, seja em cães, gatos ou humanos a carraça deve ser imediatamente retirada. Como já referimos anteriormente, as carraças são transmissoras de várias doenças infecciosas e podem ser muito graves para a sua saúde, ou a dos seus pets.

Como Tirar e Matar Uma Carraça?

como tirar uma carraça

Qualquer pessoa que já tenha tirado uma carraça sabe isto:

Para um animal tão pequeno, elas agarram-se com muita força.

Ainda assim, é um procedimento relativamente simples mas requer algum cuidado quando a estamos a extrair. Isto porque há sempre o perigo de removermos apenas o corpo do parasita e a cabeça ficar presa na pele do animal, podendo continuar a transmitir doenças, caso estejam infectadas.

O Que Deve Fazer

  1. Usar Luvas: Se quiser ser extra cuidadoso pode proteger as mãos com luvas de plástico ou borracha, ou utilizar papel.
  2. Segure-a Junto à Pele: Utilize uma pinça de pontas finas ou uma pinça própria e segure-a o mais junto à pele possível.
  3. Puxe-a Para Cima: Quando a tiver bem presa deve puxá-la para cima com uma força constante.
  4. Lavar o Local da Picada: Quando remover a carraça lave bem o local da picada com água e sabão e desinfecte com betadine.
  5. Matá-la: A melhor forma de eliminar uma carraça é colocá-la num recipiente com álcool. Depois de matar o parasita se possível guarde-o durante pelo menos 1 mês – por precaução. Sabemos que pode ser uma sugestão estranha, mas caso o seu animal fique doente pode auxiliar o veterinário no diagnóstico.

Agora pode perguntar: Existem outras formas mais simples?

Claro que sim. Este é apenas um processo “artesanal” e acessível a todas as pessoas. No entanto pode utilizar produtos anti-parasitários como por exemplo o Nexgard que irá matar a carraça em poucos minutos e a pele irá expulsá-la naturalmente.

Por não correr o risco de deixar a cabeça na pele, podemos dizer que esta é a forma ideal, ou menos arriscada de retirar uma carraça. Em contrapartida, implica os custos de comprar o produto.

Existem também outros produtos no mercado para o mesmo efeito, desde pipetas a sprays e comestíveis, mas o Nexgard foi o que nestes casos utilizámos sempre e nunca nos deixou ficar mal.

O Que Não Deve Fazer

  1. Apertá-la: Não deve apertar o corpo/barriga do parasita porque corre o risco de provocar a injecção de fluido infectado.
  2. Torcê-la: Não deve torcê-la nem puxá-la de forma brusca porque pode partir a cabeça ou as pinças e manter o risco de infecção.
  3. Adormecê-la ou Afogá-la: Ao contrário do que é popularmente dito, não deve utilizar vaselina, azeite ou outro tipo de produtos antes de removê-la porque pode fazer com que vomite a sua saliva para o hospedeiro e aumentar as possibilidades de infecção.
  4. Deixá-la Viva: Este passo é o mais simples. Como referimos no ponto 5, coloque-a em álcool porque assim vai matá-la e destruir os ovos. Não tente esmagá-la para não espalhar as bactérias pelo ambiente, nem a deite simplesmente para o lixo porque assim ela vai sair e continuar uma ameaça para os animais e para nós.

O video mostra uma senhora a tirar uma carraça bastante grande do seu cão. Apesar de ter corrido alguns riscos ao torcê-la, pode dar-lhe uma perspectiva prática de como proceder.

Quais São Os Perigos Directos

Não contando com as doenças infecciosas que podem transmitir – de que falaremos mais abaixo – as carraças também representam um perigo directo para os nossos animais e a razão é simples.

Visto que são um parasita que se alimenta do sangue do seu hóspede, podem afectá-lo directamente, sempre que o grau de infestação for elevado. Com isto queremos dizer que, mesmo imaginando que todas as carraças que estão num cão ou num gato, não estejam infectadas, ainda assim podem levar um animal à morte.

Uma infestação de carraças pode deixar um animal:

  1. Fraco.
  2. Magro.
  3. Com lesões inflamatórias na pele.
  4. Auto-mutilação devido ao desconforto causado.
  5. Anémico – devido à quantidade de sangue perdido.
  6. Susceptível a outras doenças devido ao seu estado de fraqueza.
  7. Levá-lo à morte por sangramento ou por uma dessas doenças.

Como pode ver não há nada de bom. Mesmo sem transmitirem doenças podem ser fatais ou colocar a saúde dos nossos animais em risco.

como remover uma carraça

A Febre Da Carraça

O Que é

A febre da carraça não é mais do que o nome popular dado às várias doenças infecciosas transmitidas por este tipo de parasitas. Dessas doenças podemos destacar 3:

  1. Babiose ou Piroplasmose
  2. Erliquiose
  3. Doença de Lyme ou Borreliose

Todas elas têm agentes infecciosos diferentes e provocam doenças de gravidade diferentes. Mas é por serem clinicamente parecidas – os sintomas são muito semelhantes – e pela febre que causam que lhes foi conferido esse nome.

Pode aprofundar o seu conhecimento sobre estas doenças no nosso site – com artigos próprios e mais detalhados – porém neste artigo vamos explorar os seus pontos gerais e comuns que lhes conferem o nome de “febre da carraça”.

Como É Transmitida

Como já deve saber, a transmissão das doenças é feita através da picada. Quando a carraça morde o seu hóspede liberta substâncias irritantes e anti-coagulantes através da sua saliva, o que lhe permite continuar a alimentar-se. É desta forma que as bactérias infecciosas são injectadas no organismo do animal hospedeiro.

Porém, como já referimos anteriormente, é preciso que o parasita esteja infectado, ou seja, que já tenha picado um hóspede infectado, para que possa transmitir doenças. Elas não carregam estas doenças só por si.

Quais São os Sintomas

A “febre da carraça” pode evoluir de maneiras diferentes e de forma aguda, sub-clínica ou crónica.

Os sintomas podem também manifestar-se de formas diferentes por várias razões, incluindo a espécie de bactéria infecciosa, a capacidade do sistema imunitário do animal, ou se existem outras infecções em simultâneo como por exemplo a leishmaniose.

Forma Aguda:

Os sintomas são pouco específicos e incluem:

. Febre
. Falta de Apetite
. Perda de Peso
. Anemia
. Aumento dos gânglios linfáticos

Para além destes sintomas, alguns animais podem também

. Sangrar do nariz
. Desenvolver hematomas de tamanhos variáveis
. Desenvolver alterações oculares como inflamação da íris, opacidade da córnea, ou hemorragia no interior dos olhos
. Convulsões, paralisias ou alterações na movimentação

A fase aguda normalmente dura entre 1 a 4 semanas.

Fase Sub-Clínica:

São cerca de 40 dias após a resolução dos sintomas manifestados na fase aguda, em que o animal não apresenta sinais da doença, mas em que alterações moderadas podem ainda ser observadas nas análises sanguíneas.

Fase Crónica:

Esta é uma fase muito grave que ocorre em animais cujo sistema imunitário já está debilitado. Os animais com “febre da carraça” crónica apresentam sintomas como:

. Perda de peso crónica
. Fraqueza
. Depressão
. Febre
. Inchaço dos membros posteriores
. Anemia grave – caracterizada por uma palidez acentuada

Assim como a taxa de glóbulos vermelhos, também a quantidade de glóbulos brancos é baixa, o que deixa o organismo susceptível a contrair outras infecções. Muitos dos animais apresentam também artrite em várias articulações o que os faz coxear.

Como é Feito o Diagnóstico?

O diagnóstico é feito com base nos sintomas apresentados, numa infestação de carraças recente, e na época do ano. No entanto, para que se possa saber a que agente bacteriano diz respeito são necessárias análises ao sangue.

Para servir como apoio ao tratamento e acompanhamento da doença também é necessário um hemograma – contagem das células sanguíneas.

Qual é o Tratamento?

Sejamos sinceros. Podíamos estar a escrever o texto mais completo sobre este parasita, mas, quando o mal já está feito só há uma pergunta que se impõe: Há tratamento?

E não vos vamos mentir. O prognóstico pode ser animador, ou desanimador.

Por um lado, a fase aguda tem um prognóstico animador e entre 24 a 72 horas de tratamento começam a notar-se melhorias. O tratamento é feito com medicamentos antibióticos adequados, e para casos mais complicados podem ser necessárias terapias de suporte e até uma transfusão de sangue.

Por outro lado, a fase crónica tem quase sempre um prognóstico desanimador e efeitos devastadores. O tratamento será semelhante, adequado a cada situação, mas complicado.

prevenir-doença-de-lyme

Qual é a Melhor Forma de Prevenção?

Sabia que 48 horas são suficientes para que as doenças sejam transmitidas após a picada? É verdade o que dizem: prevenir é mesmo o melhor remédio.

Como sabe, existem imensos produtos no mercado, próprios para afastarem e matarem carraças. Desde coleiras, a pipetas, sprays ou comestíveis, as opções são muitas. Deve escolher aquele com que se sinta confortável e ao qual o seu animal não tenha reacções adversas.

Agora se nos perguntar a nossa opinião…

Quando pensamos em administrar produtos anti-parasitários, pensamos em duas situações distintas:

1ª Infestações: Quando temos ou encontramos um animal já infestado de parasitas.
2ª Prevenção: Quando os nossos animais já têm um regime de desparasitação regular, em que procuramos matar e afastar os parasitas, agindo de forma mais preventiva do que reactiva. Neste caso, para nós, a doença leishmaniose é também um grande factor que temos em conta.

No caso das infestações em que os parasitas já picaram, o que fazemos é administrar um comestível (caso do Nexgard ou Bravecto) que tenha uma acção mais rápida para acabar com a infestação o mais depressa possível. Normalmente utilizamos o Nexgard por não ser tão bombástico como é o Bravecto.

Obs: Até há data, tanto quanto sabemos os anti-parasitários comestíveis só se aplicam a cães. 

No caso de uma infestação de pulgas o comestível por si só pode não ser suficiente visto que estes não protegem o ambiente, o que se for em sua casa pode ser um problema.

Mas no que diz respeito à prevenção, tentamos pesar os prós e os contras dos produtos. Claro que para cães, compreendemos a utilidade prática dos produtos comestíveis. A maior parte gosta do sabor e toma-os com gosto, e apesar de como já referimos, termos preferência pelo Nexgard, e concordamos que os 3 meses de duração do Bravecto sejam aliciantes.

Porém achamos que existem outras coisas em que devemos pensar, tanto para o bem-estar dos nossos animais mas também do nosso. Porque a verdade é que os comestíveis não têm efeito no meio ambiente. Ou seja, os parasitas têm de picar para morrerem.

Isso não os afasta, apenas os mata. E nós queremos é que esses parasitas não se aproximem de maneira nenhuma. Para isso optamos sempre por uma desparasitação com pipetas, prevenindo assim a febre da carraça, infestações de pulgas e a leishmaniose.

Dessa forma garantimos que eles não estão em nossa casa nem ao redor dos nossos animais quando os levamos a passear. E como esses produto protegem o ambiente em redor, diminui também a probabilidade de eles nos se agarrarem a nós.

O que nos leva ao ponto seguinte:

A Febre da Carraça em Humanos

As doenças que caracterizam a “febre da carraça” são zoonoses:

Zoonoses são doenças infecciosas de animais capazes de ser naturalmente transmitidas para o ser humano. Os agentes que desencadeiam essas afecções podem ser micro-organismos diversos” – Fonte: Wikipedia

Assim como nos animais, a gravidade das doenças variam conforme o agente infeccioso, podendo algumas ser muito perigosas para a nossa saúde. Também os sintomas são semelhantes aos manifestados pelos animais de companhia, mas destacamos as febres altas, manchas vermelhas na pele e a marca de uma picada.

Outra coisa a ter em conta, é que não é necessário ter um animal doméstico, ou contacto com um, para ser infectado, basta por exemplo estar a fazer actividades ao ar livre e uma picada de uma carraça infectada.

Não arrisque, previna males maiores e mantenha o seu animal desparasitado.

Leia mais artigos sobre saúde animal

Faz Parte da Nossa Comunidade 🙂
0

Sobre o Autor

ODonoCuida

1 Comentário

Clique aqui para deixar um comentário

  • SEE APANHARMOS UMA CARRAÇA NUM GATO MUITO PEQUENO QUE AINDA É ALIMENTADO PELA MÃE,QUE SE PODE FAZER?